Dicionário Estraviz. Início
Início > Acerca do Estraviz

Pesquisa no dicionário

Também podes experimentar a pesquisa avançada

Acerca do Estraviz

O tesouro lexical galego, agora na rede, conta com mais de 138.000 entradas

O mais completo dicionário galego em linha, o Estraviz, chega à sua versão 3.0. Na mesma não só foi feita uma adaptação para a norma histórica e etimológica da língua galego-portuguesa do Dicionário Estraviz -o mais contrastado dos dicionários galegos publicados até hoje-, mas também uma revisão individualizada de cada verbete e definição, com correções e acréscimos.

Sem qualquer dúvida, este é um dos mais completos manuais das línguas românicas publicados em internet, e o mais contrastado no que à variante galega da nossa língua diz respeito, pois conta com um total de 138.511 entradas.

Como bom dicionário manual, o Estraviz possui o léxico mais fundamental e mais completo possível, quer dos ramos técnico-científicos quer das expressões mais populares. Por isso, inclui abundante léxico científico e popular de mais uso. No entanto, faltam muitas variantes e localismos, que os seus utentes podem empregar com pleno direito por serem tão galegas como as que estão incluídas.

Este dicionário vai destinado para ser utilizado por toda a lusofonia, mas, nomeadamente, pola cidadania galega. Aliás, é válido para aqueles que se dizem seguidores de uma norma "isolacionista" (na realidade, ainda hoje não há um "Dicionário Normativo Oficialista" a este nível).

A respeito da norma empregue, seguiram-se os critérios que regem o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa, mantendo as duplicidades permitidas e as especificidades próprias do Brasil e das formas próprias reconhecidas como históricas do galego na normativa AGAL.

Assim, a modo de exemplo, mantêm-se os galeguismos: POLO, POLA, POLOS, POLAS, TE/CHE (CHO, CHA, CHOS, CHAS), COUSA, e o léxico galego. De resto atém-se ao padrão do AO para Portugal (algumas destas formas já aceites pola norma da AGAL, como os plurais em -ões), do que salientamos: -ÕES, AFÃ, MANHÃ / MÃO, IRMÃO, UMA, ALGUMA, NENHUM, NENHUMA, formas verbais, Â travado por nasal, HOMEM, ORDEM / SÉMEN, PÓLEN, SIM, ASSIM, COMEU-O, -A, -OS, -AS, PÁSSARO (mantém-se, porém, PÁXARO como variante galega remetendo para a forma comum).

O Estraviz é um primeiro passo que tenta dotar todos os galegos de mais um instrumento de trabalho, e mesmo também fazer um humilde contributo para a lusofonia que poderá reconhecer, destarte, léxico galego como próprio.

Equipa de trabalho do Estraviz

1. Direção e revisão geral:
Prof. Isaac Alonso Estraviz
Carlos Durão
2. Ajuda, correção e adaptação ortográfica:
Ângelo Brea
António Gil Hernández
José Martinho Montero Santalha
José Luís Valinha Reguera
Fernando Vásquez Corredoira
3. Conversão da base de dados:
Imaxin Software
4. Desenvolvimento web e desenho:
Galinus
José António Cidre Bardelás
Carlos Hugo González Vázquez
Alexandre Espinosa Menor
Carlos Ndungmandum

Estatísticas do Estraviz

A: 15.478
B: 5.562
C: 15.293
D: 8.528
E: 13.716
F: 5.538
G: 4.418
H: 2.569
I: 4.713
J: 918
K: 100
L: 4.608
M: 8.602
N: 2.484
O: 3.097
P: 12.619
Q: 1.123
R: 7.460
S: 7.384
T: 7.747
U: 1.064
V: 3.244
W: 82
X: 689
Y: 20
Z: 1.257

Notas Finais

A interface do dicionário permite a pesquisa das palavras com as terminações em -om, -ám próprias do padrão galego (normativa Agal), que se mantêm no Estraviz.

Em termos gerais, o Estraviz permite a pesquisa normal utilizando a ortografia ILG-RAG, apresentando automaticamente a entrada correspondente incluída no dicionário. Caso não mostre a palavra digitada, é só utilizar a pesquisa avançada selecionando a opção ILG-RAG.

A edição na rede da versão 3.0 foi possível graças a contar com a parceria da Associaçom Galega da Língua, da Fundação Academia Galega da Língua Portuguesa e mais da Fundaçom Meendinho.

O dicionário Estraviz inclui, ainda, uma secção específica relativa ao Léxico da Galiza para ser integrado no Vocabulário Comum da Língua Portuguesa, cuja listagem foi incluída desde 2018 no Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa em linha da Academia das Ciências de Lisboa.

Além disso, o trabalho do conjugador verbal, disponível desde maio de 2019, foi realizado entre várias áreas da Associaçom Galega da Língua (AGAL), nomeadamente a Comissom Linguística, coordenada por Joseph Ghanime e Eduardo Maragoto, e a Área de Informática, coordenada por Vítor Garabana e Antom Meilám.

Outras ajudas